segunda-feira, 20 de agosto de 2018


XIII – REFLEXÕES SOBRE O LIVRO “LIBERTAÇÃO”, DE ANDRÉ LUIZ/CHICO XAVIER

Gúbio, codinome de alto Instrutor da Vida Espiritual, ainda esclarece:
“Nossa mente é uma entidade colocada entre forças inferiores e superiores, com objetivos de aperfeiçoamento.
(...) O espírito encarnado sofre a influenciação inferior, através das regiões em que se situam o sexo e o estômago e recebe os estímulos superiores, ainda mesmo procedentes de almas não sublimadas, através do coração e do cérebro”.
Notemos que o ser encarnado, quanto o desencarnado, que ainda não alcançou patamares evolutivos mais altos, vive, no presente, entre o passado e o futuro – o hoje vive entre o ontem e o amanhã.
Através dos “chakras”, ou “centros de força”, considerados inferiores, o Básico e o Esplênico, e os superiores, o Coronário, o Frontal e o Cardíaco, o homem, ou seja, o espírito se divide entre apelos que o “puxam para baixo”, e outros que o “puxam para cima”...
Imaginemos uma árvore que, pela sua raiz fincada no solo, recebe influencias do centro da Terra, e pela sua copa, lançada às alturas, recebe influencias do Cosmos – do magma que é sinônimo de morte, e da claridade solar que se traduz em vida.
*
Afirma Gúbio, estendendo o seu raciocínio:
“Quando a criatura busca manejar a própria vontade, escolhe a companhia que prefere e lança-se no caminho que deseja.”
Eis a questão do livre arbítrio, que vai se acentuando quanto mais o espírito cresce, para, depois, anular-se completamente, com a sua vontade se submetendo à Vontade do Criador.
Jesus ensinava: “Não busco a minha vontade, mas a Vontade do Pai que me enviou”.
Sob a ação do Determinismo, acatado inconscientemente, o ser evolui, adquire o livre arbítrio, que vai se desenvolvendo, para, posteriormente, voltar a ser Determinismo, mas com lucidez.
*
Anotamos, assim, que, no uso de seu livre arbítrio, o ser pode levar indefinido tempo no processo de sua maturação psíquica. Metaforicamente, ele pode ficar vagando entre os seus “chakras” inferiores e superiores, por vezes, estacionando por séculos no “Laríngeo”, quando o homem costuma ser mais “garganta”, ou seja, mais palavra que ação – ou se refestelando no “Solar”, como alguém que vai a praia apenas para expor-se ao Sol, e não para refletir na transcendência do mar.
*
Gúbio, continuando a ponderar, elucida com sabedoria:
“Atitudes mentais enraizadas não se modificam facilmente”.
Para que elas se modifiquem, ou comecem a se modificar, muitas vezes, necessitam do concurso da dor...
Assim como a paisagem terrestre, que não se modifica sem que sofra a ação de fortes “sacudidas”, o espírito para se transformar carece de experimentar “terremotos” em seu mundo íntimo, no soterramento de seus egos...
É quando, então, o sofrimento surge para cumprir com a sua parte no processo da Criação Divina – somente o sofrimento pode “desalojar” o espírito do comodismo em que ele estaciona, com os seus equívocos e ilusões.

INÁCIO FERREIRA

Uberaba – MG, 20 de agosto de 2018.




16 comentários:

  1. Bom dia Dr. Inácio e Baccelli. A palavra convence, o exemplo arrasta e a DOR transforma. Infelizmente nosso elo de ligação com a divindade tem sido a dor, quando sofremos então buscamos Deus! Será assim até que possamos nos transformar, eis a alquimia do ser. Bjs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa noite!! Na paz! Tá tudo certo ! Irmão Pascale!! Fizestes o , " resumo da ópera " ! "...alquimia do ser" , muito apropriado o termo !!

      Excluir
  2. Bom dia Dr.Inácio e Baccelli!!

    Excelente reflexão!!

    Agradeço!!

    Excelente dia e semana para todos nós!!
    Fiquemos com o BOM DEUS!! \O/

    Carlos A. Gomes

    ResponderExcluir
  3. Bom dia dr Inácio e Baccelli
    Como podemos perceber na fala de Gubio...nossa jornada de aprendizado é longa..não é mesmo dr Inácio?
    Por isso não podemos ter ilusao sobre nós mesmos..
    Somos espíritos em aprendizado..que ainda necessitamos da dor e do sofrimento para despertarmos desse sono profundo do mundo das ilusões..
    Como disse Gubio ainda vivemos entre o mal e o bem..
    Por isso Jesus no pai nosso nos ensina a pedir Ao Pai..livrai-nos das tentações..
    Jesus afirma...amai ao vosso próximo como a vós mesmos..
    Acontece que não sabemos ainda nos amar..como podemos afirmar que amamos o outro?
    Outro dia fazendo meu evangelho..recebi uma inspiração...que também utilizava a figura de uma árvore...
    De que o amor..é como uma imensa árvore..frondosa...repleta de frutos..
    Esses frutos seriam as infinitas virtudes..
    E de que a reunião dessas virtudes em nosso campo íntimo..vão despertando o verdadeiro amor dentro de nós..
    Agora vamos refletindo e imaginando..a nossa luta aqui dentro....para tal conquista..
    Ahhh com certeza leva tempo..
    Humildade..paciência..fé..esperança...coragem..confiança..tolerância...perseverança...bondade..caridade...etc..etc..etc..a se perder de vista..
    Daí me lembrei de Paulo..que diz mais ou menos a mesma coisa qdo fala do amor..
    Então dr Inácio...podemos sim um dia sermos espíritos muito melhores..
    Porém eu penso que precisamos cuidar com muito carinho de nós mesmos..dar atenção às nossas necessidades..prestar atenção..observação..
    Somos essa grande árvore...com possibilidades infinitas de produzir excelentes frutos..inclusive virtudes que hoje desconhecemos..
    Há um potencial imenso dentro de cada um de nós..
    E realmente..as experiências difíceis como disse Gubio..são nossas melhores ajudantes
    Ótima semana
    Beijos
    Cris

    ResponderExcluir
  4. Aécio Emmanuel César20 de agosto de 2018 05:44

    Bom dia Dr. Inácio e Baccelli. O livre-arbítrio está para o homem como válvula de escape às suas ainda intemperadas ações que não chegam a lugar algum. Despertando dessa metamorfose, a evolução um dia o fará reconhecer a força que tem e, assim, poder participar mais diretamente da Criação Divina a qual é peça importantíssima no equilíbrio do Cosmo. Um forte abraço a todos. Aécio Emmanuel César

    ResponderExcluir
  5. Cadichon Pirilampo21 de agosto de 2018 04:22

    Bom dia, Amigos Espirituais visíveis e invisíveis! Amor, Luz e Paz! "Quanta luz nesse ambiente / Descendo sobre nós / Vibrando em nossa mente / ..."! A poesia musical lembra-nos do texto semanal do Inácio Ferreira (IF) apontando sua lente interpretativa potente para o pensamento vivo de Gúbio pelo lápis de André Luiz através de Francisco Cândido Xavier em suas reflexões sobre o "Libertação"! Diz um comentarista de arbitragem futebolística: "A regra é clara!" Diremos nós: o texto de IF é muito claro! Depende de nós a mudança no nosso pensar, sentir, agir e reagir neste abençoado Planeta Espiritual chamado Terra! Um abraço fraternal! Cadichon Pirilampo (08:20)!!!

    ResponderExcluir
  6. Bom dia a todos!!!

    Obrigado, Dr.Inácio-Baccelli. Muito obrigado. É tão bom recebermos semanalmente estes estímulos ao pensamento e à ação!!! Fica registrado assim que não é só o sofrimento que cumpre com sua parcela no processo, mas algumas alfinetadas e "chutes bem dados" nos impulsionam à reflexão e nos "desalojam" dos comodismos, equívocos e ilusões.

    A questão do livre-arbítrio é fundamental. Não fosse por ele não haveria justificativa para a nossa humana existência. É ele que nos move em busca de descobertas, novos conhecimentos, buscas, ação, evolução!

    Abraços fraternos a todos!

    ResponderExcluir
  7. Boa tarde Dr. Inacio e Baccelli!
    É prudente que tenhamos em mente e espírito a consciência da necessidade de evoluirmos espiritualmente em plenitude. E os melhores momentos para isso são aqueles que temos a oportunidade de experimentarmos a dor e o sofrimento oriundos de quaisquer circunstâncias. E o melhor caminho para contemplarmos esse processo de aprendizagem é através do Silêncio e da Espera, regidos pela Fé. Assim seja.

    ResponderExcluir
  8. Boa noite. A questão aqui levantada me faz lembrar uma metodologia de correção de provas de um curso que realizei. Após o término da prova, os alunos voltavam a sala de aula e recebiam de volta seus cadernos de questões. O professor então passava a declarar o gabarito, questão por questão, e qdo agum aluno discordava da resposta, iniciava-se um debate onde eram analisadas as justificativas da resposta, até que se chegasse a um consenso e tds concordassem com a resposta correta. Aqueles que não se convenciam ainda podiam solicitar a revisão da questão para posterior análise. Isso significava que o Mestre, mesmo tendo conhecimento da resposta correta, permitia ao aluno discordar até que se sentisse convencido pelos argumentos apresentados, e aí sim, aceitasse a verdade por convicção própria e não por imposição. Um paralelo com o "livre arbítrio".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cadichon Pirilampo24 de agosto de 2018 05:14

      Bom dia, Amigos Espirituais visíveis e invisíveis! Amor, Luz e Paz! Sergio Nideck (21-08-2018 20:01) Muito interessante a experiência vivenciada por você quanto ao modo de um professor auxiliar os seus alunos na descoberta da verdade livremente aceita! Este é método sinalizado por todos os mestres gabaritados deste abençoado Planeta Espiritual chamado Terra! Neste modo de refletir, saudamos o pensamento vivo do Dr. Inácio Ferreira que indicam os sinais verde, amarelo e vermelho da grande estrada da evolução dos filhos de Deus: nós! Um abraço fraternal! Cadichon Pirilampo (09:15)!!!

      Excluir
  9. Dr. Inácio, muito nos revela o irmão Gúbio:"Nossa mente é uma entidade colocada entre forças inferiores e superiores, com objetivos de aperfeiçoamento." Que beleza de definição, porque real. Qualquer um identifica essa verdade pessoal. Cedemos suplementarmente às forças inferiores, não obstante o peso de consciência que se faz sentir, e preterimos os apelos superiores.Difícil subir rápido. Falta-nos vontade férrea, sem perda de estímulo, persistência no bem e olhar fixo no Mestre Jesus. A grande esperança da humanidade é Ele, que nos afirmou:"Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida, ninguém vai ao Pai senão através de mim." Os Seus ensinamentos são as ferramentas a utilizar na caminhada evolutiva com Ele, porque com menos dor e mais rápidas realizações superiores, segundo a vontade do Criador. Grata como sempre. Abraço carinhoso à equipa. Noémia

    ResponderExcluir
  10. Carmo do Cajuru, 24 de agosto de 2018.

    Bom dia de luz, harmonia e plenitude.

    Ontem, 23 de agosto, ouvimos a música "Encosta a Tua Cabecinha no Meu Ombro e Chora". Minha esposa lembrou-se logo do Dr Inácio que disse a ela, durante o seu tratamento de uma enxaqueca que a perseguia há mais de 20 anos, ser uma de suas preferidas.
    Hoje pela manhã, ouvimos novamente a música com o pensamento em Dr Inácio com o pensamento de gratidão pelo tratamento realizado. Minha esposa é enfermeira e trabalha na UPA24 horas e é graças ao Dr Inácio que hoje exerce sua atividade de enfermagem com tranquilidade, sem os receios naturais de uma enxaqueca.

    ResponderExcluir
  11. Deve ter sido inspirada pelo Dr Inácio.
    RECEITA PARA SE TORNAR UM GRANDE MÉDIUM (rapidinho).
    1º - DE EFEITOS FISICOS – entre em uma casa de caridade e pegue uma vassoura e a movimente até fazer desaparecer a sujidade;
    2º - DE CURA – faça uma receita (pão, chá, sopa, almoço, janta) e dê ao faminto assim curará um dos maiores males do ser, a fome;
    3º - DE AUTO CURA – põe o corpo em movimento, carregue uma cesta básica morro acima;
    4º - DE VIDÊNCIA – olhe nos olhos do irmão e veja um “Cristo” nele e jamais o julgue;
    5º - AUDITIVO – doe suas duas orelhas e escute o próximo com empatia sem preconceitos;
    6º - PSICOGRAFO – vá em suas redes sociais e escreva mensagens otimistas e de amor;
    7º - SENSITIVOS – sinta a necessidade do irmão mais próximo e supra-as;
    8º - SONAMBÚLICO – dedique suas noites de sono com o desejo de ajudar em espirito enquanto dorme;
    9º - PASSISTA – comece a enviar boas vibrações aos necessitados e aqueles que te perseguem;
    10º - ORADOR – comece a falar no dia a dia sobre o perdão o amor e caridade;
    11º - Pacienta-se pois se não és médium ostensivo, tem a disponibilidade de por si próprio tornar-se aquele que intermedeia a paz e o amor.
    Trabalhar e estudar para melhor servir.

    ResponderExcluir